Positividade




Nos últimos minutos do meu dia de trabalho, resolvi escrever sobre a felicidade que estou sentindo. Ontem, nos últimos minutos do dia, recebi uma resposta que eu aguardava e que achava que ia demorar pelo menos 15 dias pra chegar.

Haa destino danado para brincar com a gente, a vida é muito estranha e muito confusa. Hoje lembrei muito de uma frase, do primeiro livro que li de Paulo Coelho:

“Quando você quer algo, todo o universo conspira a seu favor”.

Se você tem um sonho, lute. Se você acredita, vá. Se der medo, vá do mesmo jeito. Você nunca vai saber o que poderia ter acontecido se você não tentar. 

Desde ontem me sinto mais forte e sei que a cada dia a força só aumenta mais.

Bom feriado, boas reflexões, e bons sentimentos para todos.

Janaina de Oliveira

Falando de ansiedade




Hoje eu bati de cara com uma antiga rival minha, a ansiedade. Estranho, medonho, dolorido, nem sei dizer bem como foi, nem sei dizer o que senti. Estou triste, bem triste, mas com uma leve sensação de aprendizado, de superação, de... é, eu posso sobreviver.

Esses dias estão confusos, sinto muita ansiedade, um caos dentro de mim e depois isso, essa calmaria. Está tudo bem, o medo é passageiro, os problemas também, sempre haverá um jeito de consertar as coisas, de melhorar, de aprender uma lição. 

O tempo é o verdadeiro comandante, a verdade é que você até consegue atrasar algumas coisas, mas antecipar... acho impossível. As coisas acontecem quando elas têm de acontecer e, se é preciso aprender mais, sente-se e aprenda. Quanto mais se luta contra isso, mais a dor aumenta.

E eu quero esperar para ver o quanto eu posso ser mais forte, é tempo de crescer. Dessa vez eu estou pronta para ver acontecer de cabeça erguida, estou ansiosa por isso, estou andando do seu lado.

Hoje eu lembrei de um trecho de uma música que adoro:

“Eu sei que nasci e sei que vou morrer, mas o que restar entre isso é meu. Eu sou minha”. (I am mine, Pearl Jam)

Janaina de Oliveira

Primeira viagem para Maragogi-AL


A minha primeira viagem para Maragogi foi um presente da minha irmã mais velha, no ano de 2008, e lembro-me muito bem de ter perdido um emprego por conta de já ter essa danada dessa viagem programada na agenda. Mas tudo bem, acabei me divertindo horrores nessa viagem. 

Conheci muita gente, dancei muito, briguei com o pessoal da pousada que queria vender pacotes caríssimos pra gente e pela primeira vez na vida eu fiz mergulho, foi amor imediato! Me apaixonei por aquilo! É uma sensação estranha estar em um mundo que não é o seu, ver coisas que não foram feitas para você se adaptar. Fora os corais magníficos, que fazem o local ser chamado de Caribe brasileiro. 

Os passeios de bugre pelas praias são maravilhosos, fui para dois passeios por diversas praias, sempre com areias branquinhas e águas azuis perfeitas. Um desses passeios vai até a divisa de Alagoas com Recife. Também fiz um tour por uma fazenda-colônia maravilhosa, lá você encontra vestígios de uma senzala, de uma igreja de colônia e uma big mansão de não sei quantos quartos. 

Em uma das noites fomos em uma boate, na cidade de Maragogi, infelizmente estava muito vazio, mas como estávamos com uma excursão, conseguimos nos divertir. E foi nessa boate que acabe conhecendo um pessoal nativo, muito gente boa.

Na outra noite aconteceu um luau e eu levei meus novos amigos pra lá, porém o cansaço era visível na maioria das pessoas e ficamos mais rindo e conversando do que pegando pesado festejando na beira da praia. 

Bom, do que eu lembro é isso! Muito tempo já se passou desde lá. O que eu tenho para falar sobre o lugar: vale muito a pena [tanto que eu voltei lá de novo, ano passado], porém só vale tanto assim se você morar perto, ou estiver de passagem. Em dois ou três dias esgotam as possibilidades de diversão na cidade. 

A cidade é minúscula, o comércio é desorganizado. Logo, a beleza são realmente as praias, os passeios e os esportes aquáticos, menos o surf porque lá tem corais enormes e é um perigo cair num deles.

Acho que é isso, vou postar umas fotos, espero que gostem!  

Fazenda-Colônia (Casa Grande)

Mergulhando 

Mar azul de Maragogi

Um dos passeio de Bugre


Aproveitando a beleza dos corais


Por onde andei


Então pessoal, vou começar logo afobada, como sou mesmo! Vi uns blogs hoje e a vontade de escrever bateu bem “de cum força”, como a gente diz aqui na minha terra. Hoje vou começar a escrever nessa parte do blog, que é meio antiga. Aqui eu vou compartilhar um pouco das minhas viagens para vocês, alguns lugares que fui, dicas e sentimentos que tive durante a experiência.

Uma das grandes paixões da minha vida é viajar! Eu acho que viajando a gente não só conhece outros lugares e pessoas, mas acaba se conhecendo um pouquinho mais também. No último ano eu descobri a maravilha de viajar com os amigos, de fazer de tudo pra juntar uma galera e cair na estrada. BOM DEMAIS! Super recomendo para qualquer pessoa. 

Mas deixe-me ir que tenho muitos posts ainda pela frente nessa categoria.

Let’s Go!

Força solitária



"Os verdadeiros desbravadores devem estar sempre dispostos a percorrer sozinhos boa parte do caminho"

Do livro Nietzsche para estressados

Na vida existem momentos de se andar em grupo, aprender a conviver com o ser humano e lidar com suas ações e sentimentos. Existem também momentos em que é preciso ser capaz de tomar o próprio rumo no bosque das decisões.

Quando estamos sozinhos em um trecho crucial das nossas vidas sentimos medo, não temos para quem pedir ajuda ou a quem culpar. Somos os únicos responsáveis pelas nossas ações e temos que carregar toda a responsabilidade nos nossos ombros.

Porém, ao mesmo tempo, a coragem cresce e se espalha por todo o nosso corpo, pois quando tomamos as nossas decisões somos senhores do nosso destino.

Como dizia Nietzsche: "Ser independente é para poucos. É um privilégio dos fortes".

Janaina de Oliveira


Hungry




O ser humano é um ser faminto, faminto por natureza. As pessoas são seres insatisfeitos, insaciáveis. Algumas pessoas acham a ambição uma qualidade maravilhosa, digna de reconhecimento, mas até que ponto a ambição deixa de ser um impulsionador na vida e passa ser um destruidor de outras pessoas?

Ultimamente ando muito insatisfeita, as coisas não estão boas o suficiente, as pessoas não estão me dando o suficiente, o mundo não está colaborando comigo. Mas peraí? E o que eu tô dando em troca? Será que o que eu dou é suficiente?

Muito complicado se encontrar em situações como essa. A linha de raciocínio é mesmo nessa direção? Eu preciso dar mais, para consequentemente receber mais. Quem disse que isso é correto? 

Talvez eu devesse dar valor ao que tenho, mudar a minha visão e viver bem, não viver me estressando pensando em como eu poderia fazer das tripas coração para ter um pouco mais de algo que não está suficiente para mim. Porque não aceitar os presentes que a vida me dá e o jeito como ela se apresenta?

Que caminho seguir? Em que situação? O que você me diz?

Janaina de Oliveira

Don't give up




Bom, depois de um bom tempo vindo aqui só pra reclamar, decidi dar um tempo e esperar que coisas boas acontecessem ou que eu conseguisse dar um gás e fechar algumas das muitas gestalts abertas na minha vida.

Eis que estou aqui, ainda perdida e chateada com algumas coisas, ainda sem conseguir resolver outras e ainda com a sensação de que a sorte não tá indo muito com a minha cara nos últimos tempos. Porém, apesar dessas reclamações, consegui dar uns empurrões e meus projetos aos pouquinhos estão andando. 

É aquela velha história: não adiante de nada viver reclamando e não dar um jeito de consertar as coisas, não se mexer. Sei bem, pois já vivi na pele, que existem coisas que nos derrubam e nos deixam tão fracos que só o que conseguimos é chorar e achar que o mundo deveria acabar, porém, ainda tenho muito o que viver e prefiro ficar dando murro em ponta de faca todo dia, até quando me restarem forças. A vida vai batendo na gente e a gente aprendendo a resistir cada vez mais (devia levar mais essa ideia pro muay thai e parar de ter tanto medo de apanhar, rsrsrs).

Bom, o caso é que parte dos projetos estão andando, outros estão em ponto de bala e agora, não sei como, me sinto forte de novo pra coloca-los pra frente. Algumas coisas deram meio que pra trás para outras irem para frente, de boas, depois eu trabalho de novo e elas voltam pro lugar e no meio disso tudo, recebi também algumas notícias bem ruins, na verdade uma só, um belo soco no estômago [quase literalmente]. 

É interessante, as vezes a gente precisa de pancadas fortes para acordar, essa sensação é bem nova pra mim, receber um soco e ter mais vontade de ir pra frente, ter mais sede, acho que nunca na vida eu senti algo parecido. Não quero entrar muito nos detalhes da notícia ruim, porque não sei 100% sobre ela, mas estou tranquila, de algum jeito eu vou acabar dando um jeito de as coisas melhorarem.

É isso, queria trazer uma força nova pra cá. Dizer pra você [e pra mim mesma] que a luta continua e que os obstáculos estão aí para serem transpassados, para serem vencidos, para ensinar e preparar a gente pro futuro. 

Bons dias pra gente e seja o Deus quiser =)

Janaina de Oliveira

Ódio - ando


Você já passou pela sensação de estar odiando uma pessoa cada dia mais? É uma pequena atitude, um gesto grosseiro, uma brincadeira sem graça. E a cada dia que passa fica mais insuportável tolerar a pessoa que está próxima de você. 

Acho que assim como o amor o ódio também pode ser construído aos poucos, não sei se ele pode ser tão forte e durador como amor. Acredito que não, porém a sensação causada traz um estrago enorme pro meu estômago. 

Devo estar em uma fase pessimista em minha vida, tudo me cansa, tudo me chateia. Mas ódio pelas pessoas com quem eu convivo nunca foi uma coisa muito normal para mim.

Dias que seguem, dias meio perdidos, sentimentos confusos. Vontade de descansar, já tem um bom tempo que eu não digo isso, mas gostaria de dormir por três dias seguidos ou talvez viajar e meditar em algum lugar.

Beijo mãe, beijo pai amo vocês! 

Janaina de Oliveira