A felicidade está em suas mãos




Estive pensando um pouco sobre qualidade de vida, e o quanto eu busquei essa danada na minha vida. Sempre tive uma vida boa, nada de outro mundo, mas nunca me faltou comida, roupas, estudo, o básico para se ter uma vida agradável. Sempre tive sorte por ter uma família unida, com problemas aqui e ali, mas sempre pronta a dar bons exemplos de dignidade e amor.

Porém, mesmo com todas essas coisas bem claras para mim, eu sempre estive sonhando com uma vida que eu não tinha. E aqui eu não falo de carros, festas e roupas maravilhosas que a gente sonha logo depois de ver filmes ou ler revistas de modas. Estou falando de sorrir mais, de levar uma vida saudável, de poder estar perto de quem a gente gosta, de quem nos faz bem.

Acho que pela primeira vez na vida eu me sinto assim. Estou em paz comigo, com meu corpo, com minha personalidade, com meus erros e acertos, com as responsabilidades que assumi, com meus hábitos e com a minha vida. Veja bem, não estou dizendo que parei e que vou viver a vida toda como estou, que não tenho mais planos ou metas.

Eu tenho sim! E muitas, inclusive tenho motivos para acreditar que em breve minha vida irá mudar absurdamente. E eu anseio pela mudança, não me importa se a vida vai estar melhor ou pior, porque uma das coisas que mais me faz bem é saber que não estou com medo do futuro, nem do passado e estou vivendo o presente.

Delícia de presente, tão imperfeito, tão incompleto, mas tão feliz. Sei que devo agradecer a todas as pessoas que estão comigo, porque cada uma delas me ajuda de alguma maneira, sei que devo agradecer a quem passou também. Mas hoje eu quero agradecer a mim mesma, por ser o que sou, por viver do jeito que vivo e por tentar sempre melhorar.

O meu tão sonhado equilíbrio tem estado muito próximo e eu vou continuar tentando, a vida toda se for preciso, alcançá-lo. E não me importa mais se eu não conseguir, porque o próximo já é muito bom e pode sempre melhorar.  

Por Janaina de Oliveira