Ainda cansada

Do nada um dia você acorda e acha que nada mais está no lugar que deveria. Que é verde demais onde você vive, que é frio demais o ar condicionado da sua casa, que o carpete é feio e sujo e que os cachorros estão fedorentos.

Sim, você também não está nada bem, a pele está feia, o cabelo desarrumado e o corpo pelo menos uns dois kg mais pesado.


Talvez dormir ajude o dia a passar mais rápido, aproveitar enquanto isso é possível. Dias que vem e dias que vão...

Janaina de Oliveira

Soo Tired



Essa semana o cansaço me pegou! Cheguei de viagem ontem e sinto vontade de dormir o dia inteiro, mas preciso trabalhar, preciso adiantar as coisas que ficaram atrasadas, estudar, fazer prova e colocar a minha vida social para andar.

Sim, sim atualizar o blog está na lista também. Inclusive agora tenho duas viagens novas para acrescentar, tenho ideias de textos para escrever. Cadê o tempo? Cadê a coragem? Vamo lá que ainda tenho coisas para acrescentar na rotina. Só algumas coisinhas mais.


Janaina de Oliveira 

Sobre abrir o coração

Eu que sempre me achei uma pessoa com incrível facilidade para fazer amigos estou passando por uma situação de me sentir sozinha, sem ninguém.

Sim, sim. Eu sei que mudei de país sozinha, que eu não consigo falar nem entender muito bem o que as pessoas falam, mas eu realmente esperava mais de mim nesse momento, talvez um pouco mais de esforço da minha parte.

Tem pelo menos um pouco mais de um mês que me mudei e eu não tenho ninguém próximo pra chamar de amigo, ninguém pra quem eu posso ligar em uma hora ruim pra tomar um café ou uma cerveja, ninguém com quem eu possa sair pra xingar o mundo quando nada tá dando certo.

Acho que estive mal acostumada nos últimos tempos. Bons amigos, boas companhias, muitas pessoas agradáveis na minha vida. Não estou reclamando, na verdade agradeço todo dia pelas pessoas que tenho me esperando do outro lado do mundo, mas acho que isso acabou me deixando... mal acostumada, é essa mesmo a palavra.

Também percebo que acabei me fechando um pouco por aqui, estou com medo de desconhecidos, medo de novas pessoas, medo de novas possibilidades, medo dos envolvimentos e sentimentos.

Sabe aquela coisa de terminar um namoro muito intenso e passar um bom tempo com medo de se relacionar novamente? Então, essa é minha situação atual. Tive ótimos amigos e grudei neles o quanto pude nos últimos momentos, agora que rompemos (dramática) eu não quero mais passar por isso de novo daqui a um ano. 

Mas o que fazer agora? Se reinventar é o caminho? Achar uma nova maneira de viver? Esperar o tempo passar e ver se o coração amolece de novo? Eu não sei, eu não sei...

Quem quiser que ache que a vida não te empurra goela abaixo o que você precisa aprender!

Janaina de Oliveira

Homesick



Então do nada a Homesick chegou e me deixou bem pra baixo e insegura nos últimos dias.

Acho que tudo começou no último sábado, noite de UFC e eu trabalhando até tarde (nada de anormal pra mim trabalhar no sábado até tarde, mas aquele sábado foi terrivelmente pior). Eu queria ver aquela luta com meus amigos, queria estar em casa (na casa de algumas pessoas em que eu realmente me sinto em casa), queria sair sem ter hora pra voltar...

O domingo chuvoso veio pra completar a porcaria de situação, nem as compras me salvaram nesse dia, dormi o dia todo.

Sonhos ruins me acompanharam a semana toda, sonhei diversas vezes que estava em casa e cada vez que eu falava com minha família no skipe os sonhos ficavam mais fortes.

Na segunda-feira me autodiagnostiquei com Homesick. Conversei com algumas garotas, não muitas, e ficou por isso mesmo.

Não sei como lidar com essa situação, não me sinto bem nem em pensar em chorar nessa casa que não é a minha. Não é fácil conviver com problemas em um espaço que não é seu.

Então, tentei mudar o foco dos pensamentos e focar na minha vida agora, fui andar e correr. Fiz a minha prova da Drive’s License e passei de primeira (sim, estou orgulha de mim). Espero que a situação melhore um pouco nos próximos dias.


No mais a Homesick me acompanha e eu apresso o passo pra fugir dela, ainda sem saber como lidar com tudo isso.

Janaina de Oliveira

Washington DC - 2013

É eu sei que esse post tá super atrasado e é por pura preguiça porque ele tava quase pronto aqui, agora vou ficar devendo o post da viagem pra Nova York, que nem sei quando a coragem vai bater. Vamos lá!

O imponente Capitol

Finalmente tirei um fim de semana pra conhecer Washington DC. Finalmente me aventurei sozinha por metros e ônibus nessa terra estranha. Fui visitar uma amiga, ver o UFC no sábado à noite e passear [quase uma maratona] por alguns dos importantes monumentos dessa cidade incrível.

Minha noite de sábado foi dura, trabalhei até às 8pm e fui voando pegar o metro em Est Falls Church pra DC. Desci na estação Rossilyn e peguei o ônibus Circulation pra descer em Georgetown e encontrar minha amiga e mais duas garotas.

A beleza de Georgetown

Saí daqui de casa no maior calor e cheguei lá pra pegar uma chuva dos infernos. Deixei minhas coisas em casa e a noite foi de diversão no Public Tenley! Encontrei algumas meninas brasileiras torcendo pelos nossos queridos no UFC Rio 4 e o mais lega foi encontrar a Márcia, lá de Aracaju. Poder curtir um sotaquezinho da nossa terra não tem preço!

The Washignton Monument

A noite foi longa e voltamos para dormir porque no dia seguinte os grandes monumentos de Washington DC nos aguardavam. No domingo andamos um bocadinho no delicioso bairro de Georgetown aproveitando as belezas exóticas que ele tem pra oferecer e pegamos mais uma vez o Circulation (ônibuzinho bom! Roda a cidade toda e só custa U$1) pra descer na Union Station e pagar de turistas. Começamos pelo Caitol, passamos pelo National Park, Jefferson Memorial, Washington Monument e terminamos visitando a Casa Branca e Lincon Memorial.

The White House
Dia cansativo, muitas coisas bonitas e muito sol. Dicas pros turstas: andem sempre com muito protetor solar na bolsa pra reaplicar sempre que preciso e água. Pra quem como eu precisava de transporte público pra voltar pra casa, o domingo é um problema, pois não tem ônibus direto de lá pra região da Virginia, não nos domingo. Por isso fique atento e enjoy your trip da melhor maneira possível.

Janaina de Oliveira

Saudades do sertão


Hoje li um texto que me arrancou algumas lágrimas, um belo texto sobre loucura, amor, cuidado, reconhecimento e sertão, nunca pensei como essas coisas se ligam tão bem na minha cabeça. Enquanto lia surgia aquele reconhecimento de casa, de onde estão minhas raízes. 

O amor que eu tenho pelo sertão é imenso, adoro a paisagem, adoro o olhar das pessoas, adoro a pele delas e o modo como levam a vida. É aquela vida tão atrasada, tão diferente e tão sofrida. A vida que faz com que meio copo de cachaça no final do dia seja a melhor coisa do mundo.

Hoje estou do outro lado do mundo e não consigo deixar algumas coisas de lado, alguns costumes, algumas saudades. Sinto falta do jeito das pessoas, do clima, dos cheiros do meu sertão.

No mais, acho que o compartilhamento do texto ali em cima já foi válido. Sei que estou devendo o post da viagem para DC, que já está praticamente pronto. Postarei sobre minha viagem para Nova York em breve também.

Janaina de Oliveira

Falando sobre paradoxos



Então, já tem um tempinho que eu não dou às caras por aqui, vida corrida, muita coisa nova, planejando umas viagens e agora sinto que a coisa toda tá começando a acontecer. Bom, mas não é sobre isso que vim falar hoje. 

Nem sei como escrever o post de hoje, quero falar da falta que sinto dos meus amigos que deixei no Brasil, mas não quero ser piegas, também quero falar do aprendizado que tenho obtido caminhando sozinha nessa estrada. O meu desafio agora parece ser lidar comigo mesma em tempo integral. 

Semana passada queria sair pra tomar um chopp porque o dia tinha sido difícil e minha paciência não parecia estar boa. Procurei conhecidos, amigos, pessoas e não achei ninguém. Acabei andando sozinha, procurando um pub, acabei achando um restaurante mexicano onde bebi uma cerveja e uma marguerita, conversei no celular e internet com alguns amigos enquanto estava lá. Sim, eu amo a tecnologia e hoje mais do que nunca a teoria de Mc Luhan e sua Aldeia Global funcionam para mim. 

A Aldeia Global hoje é fundamental na minha vida, as pessoas dizem que vou conhecer mais gente, que vou fazer alguns amigos, mas ontem acho que me disseram a maior verdade aqui: você vai conhecer muitas pessoas de diversos lugares do mundo e vai se divertir muito com isso, mas nunca se engane pois no fundo você estará sempre sozinha. Voltando aos meus amigos, eles acabam nunca me deixando só, logo, me encontro num paradoxo da vida, mais um para minha coleção. 

Bom, eu e meus paradoxos vamos ficando por aqui. Logo mais tem um post sobre Washington DC, a capital da terra do Tio Sam. Nos vemos por lá!

Janaina de Oliveira